História do Hamburguer

Ao estudarmos a origem das comidas, percebemos que a criação das receitas, muitas vezes, se confunde com a necessidade dos homens de conservarem seus alimentos. Receitas tradicionais surgiram por acaso e o hambúrguer não foge a regra. É bom lembrar que a geladeira é uma invenção “recente” e que durante séculos a humanidade teve que se virar para conseguir preservar os alimentos em tempos de escassez.

Esse foi o caso dos cavaleiros tártaros que, no século XIII, conservavam a carne levando-a debaixo da sela de seus cavalos. Com a ação do tempo e do galope dos animais, o alimento transformava-se numa pasta, o que facilitava a mastigação. Era o chamado “bife tártaro”, que se consume até hoje cru, acompanhado de uma gema de ovo também crua. No século XVIII, porém, essa receita chegou ao porto de Hamburgo, na Alemanha, e incorporou-se aos hábitos alimentares da população local.
Mais tarde, com a imigração alemã para os Estados Unidos, o “bife tártaro” foi adaptado aos costumes americanos e passou a ser grelhado levemente, acompanhado de cebolas. Surgia, então, o hambúrguer. Porém, foi só no final do século XIX, que um dono de restaurante em Washington teve a idéia de colocar o hambúrguer entre duas fatias de pão e transformá-lo em sanduíche. Essa receita tornou-se, em pouco tempo, uma das comidas mais consumidas em todo o mundo.

Em 1836, no restaurante Del Monico’s, em Nova Iorque, o hambúrguer ganhou, pela primeira vez, estatuto de iguaria e passou a constar no cardápio – entre duas fatias de pão, já em formato de sanduíche.

O hambúrguer no Brasil

A introdução do hambúrguer nos costumes do brasileiro deve-se ao americano Robert Falkenburg, campeão de tênis em Wimbledon, que abriu em 1952, na cidade do Rio de Janeiro, a primeira lanchonete, a bob’s, e que seguia os padrões americanos. Também foram introduzidos o milk shake e o sundae. Esta lanchonete passou a fazer parte da crônica social do Rio e do Brasil, sendo frequentada por celebridades da época, como o compositor Villa Lobos, o músico de jazz Booker Pittman, entre muitos outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *