Valor nutricional do Salada Super

Aos poucos tentaremos colocar o valor nutricional de todos os lanches do Índio em nosso site. Para iniciar esta tarefa utilizaremos como exemplo o famoso Salada Super.

Sempre ouvimos aquela história de que lanches não alimentam, mas vamos pensar no conteúdo de um Xis Salada. O que falta para ser um prato completo? Arroz e feijão substituindo o pão? Tirando estas alternativas, todos os outros ingredientes são um combinação riquíssima de nutrientes, vitaminas e energia. Sem contar que Milho e Ervilha também são grãos que possuem muitos nutrientes iguais aos do arroz.

Na tabela abaixo listamos todos os ingreditentes do Salada Super, com seus valores de nutrição na média. Claro que a proporção de cada ingrediente varia de acordo com cada cliente, afinal no Índio o cliente dita a quantidade que deseja comer.

Tabela referente aos ingredientes do Xis Salada:

Ingrediente Valor Nutrientes
Hamburguer bovino, 100g/249Calorias É o alimento que mais contém ferro, vitaminas do complexo
B, zinco, magnésio, sódio, potássio e outros nutrientes,
além de ser fonte de proteína de alto valor biológico.
Milho, 40g/50Calorias O milho é especialmente rico em carboidratos (açúcares),
essencialmente o amido, o que o caracteriza como alimento energético.
Essa fração corresponde, em média, a 72% dos grãos,
porém outros importantes nutrientes estão presentes, como
os lipídios (Ex.: óleo) E as fibras dietéticas, que
constituem 4,5 e 2,0% dos grãos, respectivamente.

Algumas vitaminas também são encontradas no milho, com
destaque para a B1, a B2, a vitamina E e o ácido pantotênico,
além de alguns minerais, principalmente o fósforo e o potássio

Ervilha, 20g/40Calorias A ervilha é rica em proteínas, com cerca de 22g desse elemento
em 100g do produto. Em sua composição encontramos também
fósforo, cálcio, vitamina A, B1, B2, vitamina C e ferro.
Presunto, 20g/85Calorias É rico em proteínas de alto valor biológico, contendo
ainda vitaminas do grupo B e sais minerais como ferro, cálcio, fósforo,
magnésio e zinco.
Embora seja rico em gorduras de origem animal, o fato é que pela
sua localização anatômica, uma grande percentagem desta
gordura pode ser retirada, pelos processos de aparamento do presunto.
Do ponto de vista qualitativo, as gorduras são naturalmente ricas
em ácidos gordos essenciais, nomeadamente o ácido oleico,
responsável pela redução da fração negativa
do colesterol (LDL).
Queijo, 25g/95Calorias O queijo, o ingrediente principal do Cheese é rico em cálcio
que é o responsável por:

· Participa na mineralização dos ossos

· Constituinte dos dentes

· Participa na contracção muscular

· Participa na condução nervosa

· Participa na coagulação do sangue

Alface, 35g/6Calorias A alface é rica em fibras, além de conter poucas calorias.
Ajuda na prevenção de resfriados, gripes e outras doenças
infecciosas, além de diminuir a hipertensão e reduzir o colesterol.
O alho também previne e combate alguns tipos de câncer.
Tomate, 100g/35Calorias Rico em licopeno, composto que lhe dá o tom rubro, o tomate possui
uma poderosa ação antioxidante. "O licopeno é
um carotenóide que reduz os efeitos dos radicais livres, estimulando
o sistema imunológico. Dessa forma, ele age na oxidação
do colesterol e também protege das alterações que provocam
danos celulares e podem desencadear um processo cancerígeno",
afirma Regina Stikan, nutricionista da unidade Pompéia do Hospital
São Camilo. mais…
Ovo, 50g/102Calorias Link
Batata-palha, 100g/200Calorias  
Cebola 100g/45Calorias Embora não seja considerada uma boa fonte nutritiva devido a seus
baixos teores de proteínas e açúcares, a cebola é
rica em vitaminas do complexo B, principalmente B1 e B2, e vitamina C. Estes
nutrientes são importantes para o bom funcionamento do organismo.
Mais…
Maionese* 15g/107Calorias – É excelente fonte de energia e de ácidos graxos essenciais
não produzidos pelo organismo

– Auxilia no transporte e absorção pelo intestino das vitaminas
liposolúveis (A, D, E e K)

– Confere sabor aos alimentos.

*Escolha da quantidade de acordo com o cliente.

Agora que você já sabe o que vem dentro do Salada Super, já sabe que sempre que estiver com muita fome e precisar de uma boa fonte de energia, Ligue para o Índio!

Conheça Burger Island 2: The Missing Ingredient

burger island

Experimente este jogo criado no Brasil pela empresa Techfront do Paraná. A tarefa é simples. Voê só precisa montar o lanche de acordo com o pedido, a meta é conseguir a maior quantidade de dinheiro possível. Divirta-se com esta versão teste no site da Techfront.

Os recursos necessários para rodar o jogo são baixos:

• CPU – Pentium/AMD 800 MHz
• Windows – 98/ME/2000/XP/Vista
• RAM – 128MB
• Direct X – DX 7.0 or higher (Vista = 10.0 or higher)
• Video Card – 32MB Video card

Para iniciar o Jogo Clique aqui!

burger island2

História do Hamburguer

Ao estudarmos a origem das comidas, percebemos que a criação das receitas, muitas vezes, se confunde com a necessidade dos homens de conservarem seus alimentos. Receitas tradicionais surgiram por acaso e o hambúrguer não foge a regra. É bom lembrar que a geladeira é uma invenção “recente” e que durante séculos a humanidade teve que se virar para conseguir preservar os alimentos em tempos de escassez.

Esse foi o caso dos cavaleiros tártaros que, no século XIII, conservavam a carne levando-a debaixo da sela de seus cavalos. Com a ação do tempo e do galope dos animais, o alimento transformava-se numa pasta, o que facilitava a mastigação. Era o chamado “bife tártaro”, que se consume até hoje cru, acompanhado de uma gema de ovo também crua. No século XVIII, porém, essa receita chegou ao porto de Hamburgo, na Alemanha, e incorporou-se aos hábitos alimentares da população local.
Mais tarde, com a imigração alemã para os Estados Unidos, o “bife tártaro” foi adaptado aos costumes americanos e passou a ser grelhado levemente, acompanhado de cebolas. Surgia, então, o hambúrguer. Porém, foi só no final do século XIX, que um dono de restaurante em Washington teve a idéia de colocar o hambúrguer entre duas fatias de pão e transformá-lo em sanduíche. Essa receita tornou-se, em pouco tempo, uma das comidas mais consumidas em todo o mundo.

Em 1836, no restaurante Del Monico’s, em Nova Iorque, o hambúrguer ganhou, pela primeira vez, estatuto de iguaria e passou a constar no cardápio – entre duas fatias de pão, já em formato de sanduíche.

O hambúrguer no Brasil

A introdução do hambúrguer nos costumes do brasileiro deve-se ao americano Robert Falkenburg, campeão de tênis em Wimbledon, que abriu em 1952, na cidade do Rio de Janeiro, a primeira lanchonete, a bob’s, e que seguia os padrões americanos. Também foram introduzidos o milk shake e o sundae. Esta lanchonete passou a fazer parte da crônica social do Rio e do Brasil, sendo frequentada por celebridades da época, como o compositor Villa Lobos, o músico de jazz Booker Pittman, entre muitos outros.

Hamburguer vira tema de filme

A história de um cientista que tenta acabar com a fome no mundo e faz chover todo tipo de comida do céu estreou em primeiro lugar na bilheteria norte-americana este fim de semana. A animação em 3D da Sony, “Tá chovendo hamburguer” – previsto para chegar ao Brasil em 2 de outubro surpreendeu as expectativas e faturou US$ 30,1 milhões.

A comédia é uma adaptação do clássico infantil escrito em 1978 por Judi e Ron Barrett. A história também virou videogame. Apesar de as aulas já terem começado nos Estados Unidos e Canadá, pais e crianças foram em massa aos cinemas conferir o desenho nos multiplexes.

“Tá chovendo hamburguer” deixou para trás outros lançamentos da semana, como “Garota infernal” (“Jennifer’s body”, filme de terror com Megan Fox), e “O desinformante!”, de Steven Soderbergh. Este último longa, com Matt Damon no papel principal, ficou na segunda posição, arrecadando US$ 10,6 milhões.

Veja o trailer dublado.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=miysealmbGw]

  • Sinopse
    Cientista com ótimas intenções tenta acabar com a fome no mundo. Ao menos para a população da pequena cidade de Chewandswallow, tudo parece perfeito quando começa a chover sopa, nevar purê de batatas e vem uma tempestade de hambúrgueres. O cientista só não imaginava que isso iria causar um problema de proporções globais. Adaptação animada do livro infantil escrito por Judi Barrett e Ron Barrett.

    Já Viu o Filme? Comente e Dê sua Nota…

  • Informações Técnicas
    Título no Brasil: Tá Chovendo Hamburguer
    Título Original: Cloudy with a Chance of Meatballs
    País de Origem: EUA
    Gênero: Animação
    Tempo de Duração: 90 minutos
    Ano de Lançamento: 2009
    Estréia no Brasil: 02/10/2009
    Site Oficial:
    Estúdio/Distrib.: Sony Pictures
    Direção: Phil Lord / Chris Miller

Cheeseburguer NÃO é Baurú

Muitos chamam qualquer tipo de hamburguer de Baurú, no entanto o Baurú é um lanche específico criado em São Paulo. A  importância do sanduíche Bauru para o município do mesmo nome vem por meio da historia de seu criador, Casemiro Pinto Neto, nascido em Bauru (SP) em 5 de abril de 1914. Em 1931, ingressou na Faculdade de Direito da USP no Largo do São Francisco. Como ele e outros intelectuais da época freqüentavam o bar “Ponto Chic”, no largo do Paissandu, Casemiro (“Bauru”), o apelido que carinhosamente ganhou de seus amigos, sugeriu um tipo de sanduíche, que imediatamente recebeu o nome de seu criador: Sanduíche Bauru.

A difusão do sanduíche Bauru não se restringiu somente ao bar onde fora criado e nem tampouco à cidade de origem de seu criador. Em todo Brasil e até mesmo em outros países, o sanduíche Bauru, tornou-se popularizado pela receita composta com os ingredientes (presunto, queijo e tomate), também recebe inúmeras variações considerando as influências regionais e adaptações, ora acrescentando ou retirando alguns ingredientes, porém não deixando de levar o nome da cidade de Bauru a todas as lanchonetes e bares onde é confeccionado.

A preservação e valorização deste simples sanduíche, como patrimônio imaterial da cidade, que é lembrada como a cidade do sanduíche, é motivo de orgulho e estima aos bauruenses. O Sanduíche tem em sua receita original o pão francês sem miolo, fatias de roastbeef, queijo derretido, rodelas de tomate, pepino em conserva, orégano e sal a gosto.

A História do Sanduíche Bauru

No ano de 1931, Casimiro Pinto Neto, ingressou na Faculdade de Direito da USP no Largo do São Francisco. Orgulhoso de sua cidade natal, sempre foi conhecido pelos colegas como “Bauru”.

Juntamente com seus contemporâneos (estudantes, artistas e intelectuais), freqüentava o restaurante “Ponto Chic”, no Largo do Paissandu. Muitas são as histórias relacionadas ao Ponto Chic, passando por Madame Fifi com suas francesas nos altos do mesmo prédio, assembléias de estudantes da Faculdade São Francisco, MMDC e a revolução de 32, a invenção do sanduíche mais famoso do Brasil – O BAURU, as discussões políticas, o futebol, a Gazeta Esportiva, o basquete, negociação de craques, chegando a idéias, textos e composições inspiradas pelo ambiente. Até os dias de hoje o Ponto Chic mantém sua tradição de oferecer aos clientes, em sua forma original, o sanduíche mais famoso do Brasil – O “BAURU” (PONTO CHIC, 2006).


Figura 1 – Ponto Chic  /  Fonte: Ponto Chic (2006)

Numa noite, em 1934, procurou apressadamente, o cozinheiro do restaurante (Sr. Carlos), e “ditou” a receita do sanduíche: pão francês sem miolo, uma porção de queijo derretido em banho-maria, fatias de roastbeef, rodelas de tomate e pepino em conserva (picles).

Segundo Casimiro, essa receita incluía os elementos básicos de um lanche equilibrado em albumina, proteína e vitamina, conforme havia lido em um livreto de alimentação para crianças, da Secretaria de Educação e Saúde, escrito pelo Ex-prefeito Wladimir de Toledo Pisa, também freqüentador do Ponto Chic.

Quando estava comendo o segundo sanduíche “Quico” (Antônio Boccini Jr.), um amigo que era muito guloso, pegou de sua mão um pedaço do sanduíche e gostou. Aí, pediu ao garçom, um descendente russo chamado Alex, – Me vê um desses do “Bauru” -. Na mesma noite, outros freqüentadores pediram o novo sanduíche, dizendo que queriam um “igual ao do Bauru”. Nascia assim um dos mais famosos lanches do Brasil, hoje conhecido até em outros países.

Em Bauru o sanduíche foi divulgado por José Francisco Júnior (o Zé do Skinão) que conheceu Casimiro Pinto Neto em meados 1957. Transformou sua lanchonete (O Bar do Skinão) no principal ponto bauruense de divulgação do Sanduíche Bauru, o fazendo muitas vezes gratuitamente.

Atualmente o tradicional Sanduíche Bauru pode ser encontrado nos seguintes estabelecimentos: Skinão lanches (Rua Rio Branco esquina com Rua Júlio Maringoni); Bauru Chic (localizado próximo ao Bauru Shopping); Bar Aeroporto (no Aeroclub de Bauru); Buffet Mantovani (Av. Elias Miguel Maluf, 1-25), além do Bar e Restaurante Ponto Chic em São Paulo (Largo do Paissandu, 27).

A receita
Ingredientes do Sanduíche Bauru
Foto: Kátia Santicelli – Arquivo OHL Brasil
  • Pão francês sem miolo
  • Uma porção de queijo
  • Fatias de roastbeef
  • Rodelas de tomate
  • Rodelas de pepino (picles)
  • Sal e orégano a gosto
Modo de Fazer
Divida o pão em duas partes e retire o miolo. Coloque o roastbeef frio (o roastbeef deve ser preparado com antecedência.) em uma das partes. Sobre o roastbeef, disponha rodelas de tomate e as de pepino. À parte, prepare o Banho-Maria, coloque um pouco de água numa assadeira para esquentar. Coloque o queijo que, ao derreter, deve ser retirado e disposta na outra fatia de pão. Una as duas fatias do pão. O calor do queijo aquecerá os demais ingredientes do sanduíche.

Roastbeef – Uma peça de lagarto de aproximadamente 2 quilos; Sal grosso; Aqueça bem o forno antes de colocar a carne para assar! (Se quiser fazer um pedaço maior ou menor de lagarto, calcule sempre 20 minutos de forno por quilo de carne). Modo de preparar: Limpe bem a peça de lagarto; Forre uma assadeira com papel de alumínio e espalhe uma camada de sal grosso; Coloque a carne e cubra-a com sal grosso; Asse em forno bem quente por quarenta minutos; Deixe esfriar e raspe todo o sal grosso com uma faca; Coloque no congelador por uma hora e corte em fatias finas. Esta é um de várias formas de se preparar o Roastbeef.

Ingredientes do Sanduíche Bauru
Foto: Kátia Santicelli – Arquivo OHL Brasil
Comprovação dos Ingredientes
Após pesquisas realizadas, é possível afirmar que o pão francês existia na época da criação do Sanduíche Bauru. O que poderia destoar é a consistência devido a utilização de fermentos distintos e o tipo da farinha de trigo encontrada, o que tornava os pães da época mais “massudos” do que os de agora. Também salienta-se que o tamanho (peso) do pão da época não era regulamentado em nenhuma tabela específica. Concluí-se que o tamanho do pão francês poderia ser diferente do padrão atual, o que não descaracteriza o sanduíche hoje.

Após a analise de livros e relatos históricos de pessoas que vivenciaram o período de criação do Sanduíche Bauru, tem-se que o queijo utilizado provavelmente seria o queijo Mussarela. Isto se justifica por ser esse um queijo muito utilizado na época, de custo acessível aos estudantes e de fácil manipulação (no caso, derreter em banho-maria). O pepino em conserva utilizado hoje em dia foi incluído oficialmente no lanche na década de 50; pois, como Casimiro Pinto Neto tinha problemas de úlcera gástrica, era impedido de consumir certos alimentos, o que de vez em quando, e num botequim, na companhia de amigos, não faz mal nenhum abusar um pouco desta recomendação.

Valor nutricional
O valor nutricional da composição energética dos ingredientes foi calculado com os produtos in natura. Processando o derretimento do queijo nota-se uma redução de gordura, ficando retida na água do banho-maria que deve ainda ser deduzido das kilocalorias totais do sanduíche.
Ingredientes Peso (gramas) Kcal
1 pão francês, sem miolo 30 80,7
3 fatia de queijo mussarela 45 146,16
3 fatias de roastbeef 45 74,7
3 rodelas de tomate 15 3
3 rodela de pepino (picles) 10 2
Total 145 306,56
Fonte: Webcalc – Esporte e Saúde – nutrição: composição química e energética dos alimentos.
Disponível em: http://www.webcalc.com.br/frame.asp?pag=http://www.webcalc.com.br/esporte/composi_ab.html.
Acessado em: 02/06/06.

X-Burguer, o cheeseburguer brasileiro

O cheeseburger(hamburguer + queijo), foi patenteado em 1935 nos Estados Unidos por Louis Ballast, dono da lanchonete Humpty Dumpty, em Denver, no estado do Colorado. Sua receita original é:

2 gemas cozidas (prefira ovos caipiras)

1 gema crua (prefira ovo caipira)

240 ml de óleo de oliva leve (não use o extravirgem)

1 colher (sopa) de suco de limão-rosa (também chamado de limão-cravo), que tem o sabor mais ácido e menos azedo

1/2 colher (sopa) de cebola bem ralada

1 pitada de sal marinho

Pimenta-do-reino moída na hora a gosto

Cebola grelhada

1 fatia de cebola

1 fio de óleo de oliva

Finalização

1 pão d’água (francês) com 90 gramas

2 folhas de alface novas e tenras (prefira alface orgânica)

1 fatia de tomate-caqui

1 fatia de queijo cheddar inglês

Modo de preparo

Hambúrguer

Misture bem as carnes moídas e a gordura sem acrescentar outro ingrediente. Modele a carne nas mãos, dando-lhe formato de hambúrguer e leve à grelha em fogo forte, colocando-a a 5 centímetros de distância do fogo. Asse o hambúrguer até ficar ao ponto, isto é, rosado no meio, para que fique bem suculento. Polvilhe sal e pimenta-do-reino em ambos os lados e retire do fogo, mantendo-o em lugar aquecido.

Maionese artesanal

Em um prato fundo, coloque as gemas cozidas e a crua. Com um garfo, misture-as bem, em seguida, derrame o óleo de oliva em fio e vá batendo com o garfo, firmemente, sempre em círculos e para o mesmo lado. Esse processo faz com que a mistura fique bem aerada. Depois de ter colocado todo o óleo de oliva e a maionese estiver bem homogênea, acrescente o suco de limão, a cebola ralada, o sal e a pimenta-do-reino. Rende 20 colheres (sopa) de maionese.

Cebola grelhada

Passe a fatia de cebola em óleo de oliva e leve à grelha por um minuto de cada lado.

Finalização

Corte o pão em duas partes, passe uma colher (sopa) de maionese na parte de baixo, depois coloque as folhas de alface e o hambúrguer grelhado. Em cima, disponha a fatia de queijo, o tomate e a cebola. Cubra com a outra metade do pão e leve ao forno moderado (160 graus C) por dois minutos.

No Rio Grande do Sul

Este famoso sanduíche acabou recebendo novas versões quando chegou ao sul do Brasil. Erroneamente chamado de “Bauru” o Xis Gaúcho é composto de um pão bem maior que a forma tradicional, o que deu origem ao Xis ao Prato. De tão grande que foi ficando o cheeseburguer gaúcho, em muitas lanchonetes ele é servido num prato para se comido com garfo e faca.

Além do pão, o cheeseburguer acabou ganhando uma série de variações como: salada, filé, coração, bacon… O brasileiro, passou a substituir o hamburguer por outros tipos de carne o que colaborou para um lanche único e cheio de personalidade, mas ainda sim um XIS.